account icon arrow-left-long icon arrow-left icon arrow-right-long icon arrow-right icon bag-outline icon bag icon cart-outline icon cart icon chevron-left icon chevron-right icon cross-circle icon cross icon expand-less-solid icon expand-less icon expand-more-solid icon expand-more icon facebook-square icon facebook icon google-plus icon instagram icon kickstarter icon layout-collage icon layout-columns icon layout-grid icon layout-list icon link icon Lock icon mail icon menu icon minus-circle-outline icon minus-circle icon minus icon pinterest-circle icon pinterest icon play-circle-fill icon play-circle-outline icon plus-circle-outline icon plus-circle icon plus icon rss icon search icon shopify icon snapchat icon trip-advisor icon tumblr icon twitter icon vimeo icon vine icon yelp icon youtube icon
Carrinho (0)
Adicionados recentemente
0 Item Total R$ 0,00

Não disponível

Carrinho (0)

Adicionados recentemente

0 Itens

Total R$ 0,00

Não disponível

Chatices? Olho vivo

posted 2019 Mar by

Passou o carnaval e começam a aparecer as chatices: intestino meio solto, dorzinha de cabeça, resfriado, indisposição. O nome disso? Ressaca. Festa é festa. Se valeu a pena, o jeito é pagar o preço. Em 3D: descanso, dieta, detox.

Descanso é fundamental. O movimento só pode se completar no repouso. O corpo – e a mente que o habita – precisa de uma trégua antes de voltar ao ritmo normal. Uma das piores coisas do mundo é arrastar o cansaço pela vida afora.

Minha amiga Susana Ayres, fisioterapeuta e acupunturista de Brasília muito antenada em toxinas e parasitas, costuma dizer que damos pouca atenção às intoxicações. “Tudo o que é excessivo produz lixo que precisa sair. Geralmente através dos intestinos e da bexiga, nossos canais preferenciais de esgoto, mas também através dos pulmões, via bafo ou catarro, e ainda da pele, que nunca produz uma coceirinha sem ter lá suas razões.”

Irritabilidade, sonolência, alterações na pele, gases, arrotos, prisão de ventre ou diarreia, gripes e resfriados, distúrbios leves de menstruação: olho vivo. “Esta é uma situação de alerta”, diz ela, “na qual bastam uns ajustes na dieta alimentar, eliminando por alguns dias os laticínios, produtos animais e açúcar e aumentando o consumo de vegetais, frutas, sucos, água e chás como banchá, chá verde, capim-limão, erva-doce, camomila e hortelã”.

Quem não entende os sinais pode cair numa intoxicação mais consistente, com sintomas que se repetem, como gastrite, enxaqueca, labirintite, tontura e enjoo, constipação intestinal acentuada, parasitose, anemia, colesterol alto, sinusite, alergias de pele ou respiratórias. Também pertencem ao quadro as dores articulares sem causa definida, tendinites, distúrbios menstruais, hormonais e tensão pré-menstrual. Aí, Susana costuma orientar para uma dieta de desintoxicação mais longa, de no mínimo um mês, para restabelecer as defesas do organismo – e, se houver parasitose, tratar.

Antes tarde que mais tarde. Porque intoxicação grave e parasitoses acabam se chamando doença, aquela coisa cheia de consultas, exames, remédios e despesas que não acabam mais. Melhor pegar as rédeas da saúde enquanto é tempo.

Contatos com Susana: susanaayres@gmail.com .

Comments

Leave a comment