account icon arrow-left-long icon arrow-left icon arrow-right-long icon arrow-right icon bag-outline icon bag icon cart-outline icon cart icon chevron-left icon chevron-right icon cross-circle icon cross icon expand-less-solid icon expand-less icon expand-more-solid icon expand-more icon facebook-square icon facebook icon google-plus icon instagram icon kickstarter icon layout-collage icon layout-columns icon layout-grid icon layout-list icon link icon Lock icon mail icon menu icon minus-circle-outline icon minus-circle icon minus icon pinterest-circle icon pinterest icon play-circle-fill icon play-circle-outline icon plus-circle-outline icon plus-circle icon plus icon rss icon search icon shopify icon snapchat icon trip-advisor icon tumblr icon twitter icon vimeo icon vine icon yelp icon youtube icon
Carrinho (0)
Adicionados recentemente
0 Item Total R$ 0,00

Não disponível

Carrinho (0)

Adicionados recentemente

0 Itens

Total R$ 0,00

Não disponível

Não passe na pele nada que não comeria

posted 2019 Mar by

Sou fã do óleo virgem de coco há mais de vinte anos. Às vezes tomo uma colher em jejum, pra nocautear as cândidas adquiridas nas bobagens que comi e bebi na véspera. Besunto com ele o pão integral torrado, acrescento à papa de aveia com abóbora, às vezes frito nele um ovo. Ponho sempre na sopa, na moquequinha de peixe ou banana, também nas bananas maduras ao forno com canela em pó por cima, mmmm…
Mas se é importante na cozinha, no banheiro é a estrela do show. Passo na pele depois do banho, no cabelo, na periquita se aquelas bobagens da véspera derem coceira, na vagina se precisar de lubrificante, entre os dedos dos pés para espantar ou curar frieiras. Não passo em mim nada que não comeria, porque a pele absorve e manda para a corrente sanguínea. Gorduras esquisitas formam membranas celulares esquisitas, sabia?
Quando quero variar o perfume, pingo uma gota de óleo essencial de lavanda, de alecrim, de cravo para afastar mosquitos. Só não vario a marca: Dr. Orgânico.
História de uma parceria
Lá no começo eu importava o óleo das Filipinas, onde é feito na tradição milenar de ralar o coco, tirar o leite, fermentar para separar o óleo. Assim não perde antioxidantes. Saía caro, porém, e eu não entendia por que não tínhamos esse óleo no Brasil. As marcas nacionais não passavam no meu teste de qualidade. Até que um dia…
…um dia deu certo, porque certo empresário atrevido, fã como eu do óleo virgem filipino, resolveu trazê-lo e colocar no mercado. Encontrei por acaso, comprei para testar. Pasmei: era o mesmo. Puro, fresco, orgânico. Pequena felicidade de todo dia, passei a comprar no atacado, com desconto, pra divulgar entre amigos e leitores, daquele jeito sincero que só tem quem gosta.
Passaram-se os anos, vieram as mídias sociais, o empresário e eu acabamos ficando amigos e ele me dizia: “Tem que cultivar as mídias, D. Sonia! Seu trabalho precisa aparecer mais!” Então, adivinhem? É a marca dele que está bancando agora minhas atividades de comunicação. Com toda a transparência, digo aqui pra vocês: é uma boa parceria, movida a controle de qualidade. Enquanto o óleo for bom, estarei com ele. E ele comigo. Parceria feliz.
Imagem: Cristina Tati

Comments

Leave a comment

comments have to be approved before showing up